Skip to content

O Pixel 5G não foi apresentado porque, segundo o Google, teria que ter uma bateria enorme

O Pixel 5G junta-se ao grupo de dispositivos que a Google NÃO apresentou durante a conferência dedicada aos smartphones Pixel 4. Agora explica porque aconteceu.

Brian Rakowski, vice-presidente de gerenciamento de produtos do Google, falou sobre o Pixel 5G, sobre o qual rumores puderam ser ouvidos antes da recente conferência do gigante de Mountain View.

As empresas que pesquisam o mercado móvel concordam que a expansão da rede 5G será um fator que estimulará as vendas de smartphones. O problema é que essas redes ainda estão se desenvolvendo muito lentamente, principalmente nos Estados Unidos. Os EUA são o maior mercado para smartphones Pixel e provavelmente não mudarão por muito tempo. Por esse motivo, o Google não quer se destacar com a proposta de um smartphone com modem 5G. O tempo para tal smartphone ainda não chegou.

É verdade que a empresa poderia seguir o Samsung Galaxy S10 5G e o Note 10+ 5G, que funcionam nos EUA como presentes apenas na web Verizon modelos – pode-se dizer – demonstração. No entanto, o sentido de tal jogo é pequeno.

Um modem 5G precisa de energia

Rakowski aponta para mais um problema com o qual o Google teria que lidar no Pixel 5G. É tudo sobre a capacidade da bateria do dispositivo. O Pixel 4 e o Pixel 4 XL não são líderes no que diz respeito ao tamanho da bateria. Algumas pessoas expressam indignação indisfarçável pelo modelo menor ter um celular com apenas 2800 mAh.

Como o modem 5G exige uma demanda maior de energia, nos smartphones que seriam equipados com ele, o indicador de bateria ficaria fino nos olhos. O Google teria que usar links maiores, o que acarretaria mais mudanças no design. Aparentemente, a empresa ainda não está preparada para isso.

Ver agora:  Google Play Pass vai para vários novos países, mas claro que não para a Polónia

Isso não significa que o Google esteja reclamando da ideia de fazer o Pixel 5G. Muito provavelmente, no entanto, não o veremos até o próximo ano, se não mais tarde.

A morte de VR em smartphones, que é o que o Google não mostrou na conferência de ontem

fonte: Arena do telefone